segunda-feira, junho 23, 2008

ASSOCIATED PRESS

Já por algumas vezes recorri às notícias da AP como fonte de alguns posts. Sempre, mas sempre fiz a referência à fonte.
De facto, a AP foi um dos primeiros sites de notícias que eu escolhi para a "voltinha" diária e muitos anos antes de pensar em blogar.
Assim, posso dizer que era um dos meus sites preferidos mas a partir de agora deixará de o ser.
A AP sentiu-se ofendida por uma transcrição de um pequeno texto que um blogger colocou no seu site apesar de ter identificado a proveniência. Queixa-se a AP que está a ser lesada no conteúdo "original" que produz e que se alguém quer colocar algum texto terá que pagar. Eis a "tabela de preços".
Bem, pouco me importa as leis que regem a Imprensa mas deverá existir algo que permita os "colegas" copiar excertos das notícias de outros após publicação. Se não fosse assim, o primeiro a publicar seria não só o primeiro mas também o único, caso uns tivessem que pagar aos outros. Aliás também não acredito que as notícias da AP sejam assim tão originais como querem fazer transmitir.
Para mim a Associated Press deixou de existir. Já sei que não lhes faz qualquer mossa mas a mim faz-me muito bem à paz de espírito.

Porém, quando alguém cospe para o ar ou contra o vento existe sempre a hipótese desse mesmo cuspo retornar à procedência. É exactamente isso que está a acontecer com o TechCrunch o qual está a acusar a AP de copiar excertos dos seus textos originais. Relembro que o TechCrunch foi dos primeiros a enveredar pelo boicote à AP.
É pena que a AP tenha tomado uma atitude destas. Esta agência devia ter mais cuidado com o que faz porque entrar em guerra com o mundo dos blogs não é lá muito saudável.

Vamos lá ver no que isto dá.

2 comentários:

Cafonso disse...

Cobrar por cinco palavras é no mínimo absurdo. Quantos textos mesmo que escritos de forma independente podem coincidir em 5 palavras (por vezes mesmo com assuntos completamente diferentes). Felizmente nenhum tribunal irá nessa conversa e a AP teria muito que fazer em custas de advogados para tentar que algum tribunal sequer olhasse para uma coisa dessas.

Francisco Costa disse...

Completamente ridículo...
Eu já nem vou para os conteúdos... Quantos títulos com 5 palavras iguais não haverá?!?!?!?