terça-feira, junho 30, 2009

GOLPE DO BAÚ

Eis mais um grande negócio da M$.

"Pelo caminho, foi pública a polémica por causa da impossibilidade de fazer pesquisas e consultas no Portal, apesar do custo irrisório dessa função, ou a necessidade de criar um regime excepcional, por causa dos concursos que iriam ser lançados, por exemplo, pela Parque Escolar. A Microsoft cobrou mais de 20 mil euros para fazer esta alteração."

Ora vejam lá quanto custou a mesma coisa feita pelo transparência.pt!

A cereja em cima do bolo:
"A Microsoft era consultora do Ministério das Obras Públicas e colaborou com a secretaria de Estado na preparação das portarias (!!!!! - nota do editor) que vieram regulamentar o Código - e acabou por ver ser-lhe adjudicada a elaboração de um serviço para o qual foi consultora, ao arrepio das recomendações legais."

VALE TUDO!

(EDIT) - faltou-me dizer onde li esta trapalhada. Por acaso até nem foi em nenhum blog mas sim na fantástica mailing list do Planet Geek!

PS: Fiquei siderado com esta notícia do Público. Que bicho lhes terá mordido para escarrapachar o nome da Microsoft desta forma!?



4 comentários:

Rui Luna disse...

Foi tão bem desenvolvido pela MS que até com o seu querido novo browser fica tudo atrofiado...tem de ser em modo de compatibilidade!!

Francisco Costa disse...

Assim se fazem as coisas, vale tudo excepto arrancar olhos e calar o Público... LOL
Só discordo da comparação que fazes de custos entre o transparência-pt.org e o base.gov.pt. O transparência-pt.org usa a base de dados do base.gov.pt e aquela base de dados certamente custou algum dinheiro e tempo a construir. Assim sendo devemos assumir que o transparencia-pt.org teria o custo do valor da base de dados + 18€ e as 12h15m de mão de obra. O que na mesma deve ser muito pouco comparado com aquilo que a MS cobrou.

jocaferro disse...

@Francisco Costa
Foram (apenas) 20.000 € apenas para fazer aquilo que o transparencia fez...

@braço.

Cafonso disse...

A MS está em maré baixa. Agora até a Bolsa de Londres resolveu mudar de plataforma (e de caminho mandar para o desemprego a responsável pela aquisição da actual). Mas cá com os nossos planos tecnológicos iremos continuar a investir no conhecimento dos outros e não no nosso