terça-feira, fevereiro 05, 2008

ANTI-MAC!?

He poured scorn on the modern trend to treat a new version or update of an operating system as a cause for major celebration and marketing.

"An operating system should be completely invisible," he said. "To Microsoft and Apple (it is) a way to control the whole environment ... to force people to upgrade their applications and hardware."

Eis o verdadeiro anti-Mac!

Pois é Linus. Por toda a razão que possas ter não podes dizer uma coisa destas e muito menos falar "mal" do Mac/Apple senão levas com muito ódio em cima...

EDIT: oooppppss, o Bruno já tinha redigido algo mais ou menos parecido.

23 comentários:

Madril disse...

Por algo licenciaram o ZFS da Sun...

brunomiguel disse...

Que o facto de eu escrever sobre um assunto te impeça de fazer o mesmo. :)

O Linus ainda vai encontrar à porta um pinguim decapitado, por causa destas declarações. Ou um segfault dentro de uma caixa. xD

Anónimo disse...

vcs sao parvos ou fazem-se?!

1º, como o/a madril mencionou, a Apple pretende mudar de FS para o ZFS!

2º, o Trovaldis obviamente que tem de puxar a brasa a sardinha dele...

gostava que alguem me conseguisse mostrar e convencer que há uma (das milhares) distribuição linux que seja capaz de correr como um OS desktop!

qd digo desktop, digo algo que dê para trabalhar de tudo um pouco e ao mesmo tempo que seja simples para alguem que não seja informático!

e qt à maria joao n sei das quantas, subscrevo inteiramente a sua opiniao!
enfim.... sugiro ao autor do blog a experimentar 6meses de uso do X! com sorte até conseguirá corre-lo no pc actual

Manjerico disse...

O gajo diz que o OS X é melhor que o vista e é anti-mac? Disse que é mais difícil programar para o sistema da apple e que o sistema de ficheiros é uma - e passo a traduzir literalmente - bosta, mas no geral o OS X continua a ser melhor que o Vi$ta (mau era). Um pouco contraditório o post.

jocaferro disse...

Quem parece desconhecer em absoluto o Linux é o/a anónimo/a que ainda deve viver na idade da Pedra.
Além disso, enquanto uns andam para aqui a debater com seriedade há-de aparecer sempre algum(a) troll desta natureza.
Assim, ou conversa em termos de gente crescida e com pelo menos um pinguinho de inteligência ou então está banido(a).
Gente desta não faz cá falta nenhuma e mais uma vez serve de exemplo como discute um pró-Mac.


@manjerico:
Quem não pró-Mac é anti-Mac.
Acho que não há lugar a enganos nem a meios-termos.


@braço.

brunomiguel disse...

@Jocaferro
Tens fanáticos na "casa". hehehehe

Só a título de curiosidade: A Apple também implementou o Dtrace, outra ferramenta da Sun, mas limitou-lhe o leque de acção a ferramentas como o iTunes. E não digam que isso é segurança, pois é uma grande treta. É a Apple a limitar, como sempre, os seus utilizadores.

Já de agora, o meu Debian Lenny com OpenBox faz inveja a muito desktop que aí anda: simples, agradável e ultra-produtivo.

Madril disse...

Bruno, qual é o interesse de poder correr o DTrace no iTunes ?

Reverse Engineering ? Claro que a Apple limitou o DTrace no iTunes, e acho muito bem. Se não o tivesse feito, mais de metade das editoras que vendem no ITMS (iTunes Music Store) cancelavam o contrato.

brunomiguel disse...

@Madril
No dia em que souberes o que é controlares realmente o teu computador, vais perceber o que digo.

Anónimo disse...

oh jocaferro, não, não me considero nenhum "guru em linux", mas não diria que desconheço o OS... neste momento não uso linux nenhuma máquina administrada por mim, logo não ando em cima de todas as novidades, mas vou acompanhando! Confesso que as poucas distribuições que usei foram LinuxPPC (muito pouco tempo), Mandrake (até incluirem uma tool a imitar o System Preferences), passei pela Slack mas confesso que não gostei e fixei-me no Gentoo que é a minha distribuição de eleição!

e já que o meu comentario revela tal desconhecimento sobre o OS, gostava que me indicasse uma (só uma) distribuição, que eu possa por na mao de qualquer utilizador comum de um computador (quer seja windows user, quer seja mac user) e que esse mesmo utilizador consigo usar o OS para uso comum! inclua-se nesse uso a instalação de aplicações que não façam parte da distribuição ou repositorios dessa distribuição! é isso que eu diria que é um "OS de desktop"

pela pouca experiencia que tenho, penso que a única distribuição que poderá ser pensada para esse uso seria a Ubunto... mas aí voltamos ao mesmo problema de um Windows ou MacOS X, o numero de serviços que arrancam desnecessariamente no boot e a falta de transparencia no OS...! sou completamente ANTI-Ubunto! quase tanto quanto ANTI-Windows! gostava de compreender o hype a volta dessa m*rda de dist... debian é uma dist que me parece bem pensada com um bom gestor de pacotes, porque pegar em debian, meter num cd com um theme castanho cor de m*rda e chamar-lhe outro nome??????

não sei se fui explicito no comentario, mas obviamente que se precisar de um servidor vou recorrer a uma distribuição Linux ou a uma BSD (embora o MacOS X Server tenha tools de administração extremamente praticas, não me convence... demasiado pesado só para "poupar" trabalho ao admin)

mas repito! deveria experimentar durante uns mesitos o X!

jocaferro disse...

O que é um utilizador comum com um SO para uso comum?
- Processador de texto, Folha de Cálculo, Base de Dados e uma coisa daquelas que faz apresentações?

Para mim este é o utilizador comum.
Se for um jogador nato compre uma PS3. Com o YellowDog ou Fedora fica com um super-computador nas mãos além de uma excelente plataforma para jogos.

Ah! (como é habitual nestes casos...) e o Photoshop!?
Pois, já dá um pouco mais de trabalho, é caríssimo para quem o tem de forma legal, mas a sua instalação em Linux está perfeitamente ao alcance de um recém-chegado. Além de que existem outras aplicações open source...

Para aqueles que eu considero um utilizador comum:
Uma das principais vantagens da maioria das distros Linux é a possibilidade de "correr" como LiveCD.
Não estraga nada, arranca em relativamente pouco tempo e dá para avaliar logo de imediato todas as vantagens/desvantagens.
Também, hoje em dia, tudo é detectado de uma forma automática, exceptuando alguns drivers e codecs mas tal apenas fica a dever-se ao regime "proprietário" dos mesmos. No entanto encontram-se em repositórios que a uma simples intervenção ficam imediatamente activados.

Poderia indicar dezenas de distros amigáveis e nunca mais acabava mas para qualquer iniciante nestas práticas indico apenas algumas que não quer dizer de forma alguma são as melhores do que outras:
- (x)buntu;
- Mint;
- PCLinuxOS;
- Sabayon que automaticamente activa os efeitos 3D que tanta gente gosta;
- Kurumin;

E as minhas preferidas:
- Fedora;
- openSUSE;
-Mandriva.

Todas para desktop. Tenho testado algumas versões 64 bit e todas tem apresentado alguns problemas, coisa pouca para alguém mais "calejado" mas podem infernar a vida de um novato.

No campo do BSD o PC-BSD e o Freebie, embora um pouco mais "duras", funcionam perfeitamente ao "primeiro toque". Tenho o DesktopBSD para ensaiar mas ainda não tive tempo porque neste momento tenho 3 máquinas a testar Solaris alikes.

Todas estas versões aqui apresentadas correm através de CD e, com um mínimo de trabalho, também através de USB. Caso o utilizador goste é só instalar.

Muito importante e que quero salientar é a facilidade que algumas destas distros dispõem de criarmos a nossa própria instalação e de a poder levar para qualquer lado quer num CD quanto numa pen USB.

Para os mais novatos que estão habituados a outros SO's existem algumas distros que os farão sentir em casa quer venham do XP, Vista ou MAC. Pessoalmente, não sou apologista destas soluções.

Cumprimentos.

brunomiguel disse...

Nessa lista incluiria o Debian, porque é uma distribuição que consegue agradar a gregos e troianos (utilizadores normais, geeks e nerds).

jocaferro disse...

Ó Bruno:
- Debian está noutro patamar. Ainda há dias um amigo mandou-me um e-mail a dizer que ia instalar Debian porque tinha ouvido falar bem dele.
Assustou-se quando reparou que precisava de vários DVD...

Apenas enumerei algumas perfeitamente adaptadas a desktop e com uma enorme facilidade de utilização. Debian até tem instalador a partir de Windows mas como tu já "sentiste" dá um bom bocado de trabalho a afinar. Depois?
É sempre a abrir...

psssttt - 2008 é o ano Debian no servidor. Até agora 100% no ar. Nem uma paragem embora tenha uma ventoinha a fazer um bocado de barulho. Lá terá que ser uma manutenção porque ainda não possuo, no lab caseiro, um servidor a sério...
PIII a 1 GHz, 1 GB memória, fonte de 240VA(!), consumo de 28W full-power, dois discos de 80GB...
Como podes verificar, redundância = 0.

@braço.

brunomiguel disse...

Esses DVDs têm todo o software dos repositórios. Ele só precisa do primeiro, ou mesmo do CD netinstall e depois só precisa de um apt-get install gnome-desktop. :)
E, se ele quiser compilar os pacotes optimizados, tem o apt-build, que é tipo o emerge do gentoo.

O desktop padrão do Debian chega e sobra para o chamado utilizador normal. Mas se ele quiser outra coisa, aí sim, tem que andar a mexer. Mas isso é em qualquer sistema operativo.

ps: cada vez gosto mais do Debian. Já ando à vários meses para instalar outra distribuição, só naquela de experimentar, mas acabo sempre por não querer "estragar" o Debian. E como não tenho grande espaço livre para meter uma outra distribuição noutra partição, deixo-me ficar feliz e contente com o Debian. :D

Madril disse...

Já viram o que o Linus (Trovalds) disse do Debian ?
"After all, if you’re a Debian person, it’s likely more important to you to be difficult and anal and argue about theoretical license details than actually be usable."

... I wonder...

brunomiguel disse...

@Madril
Antes de mencionares a opinião dos outros, adquire a tua - é uma premissa básica de qualquer pessoa com dois dedos de testa.

jocaferro disse...

Só deixei passar este comentário de madril por uma única razão:
-Onde está isso escrito!?

Também acho que este TROvalds deve ser uma figura de ficção porque o verdadeiro TORvalds tem, aqui, uma opinião totalmente diferente:
- "única distribuição de relevância que nunca usei foi o Debian, justamente por ser a mais difícil de instalar. Soa estranho, já que Debian se considera a distribuição 'perfeita para os verdadeiros usuários técnicos', mas isso é exatamente o que não gosto numa distro. Prefiro as distribuições bem desenhadas com instaladores fáceis, etc, pois para mim este é o único ponto importante para começar a utilizar uma distribuição".

http://www.oneopensource.it/interview-linus-torvalds/

Entretanto o Debian já evoluiu muito.

@Bruno:
Eu sei, tu sabes mas ele não sabia e ficou atónito!

Naquela listagem apenas tentei dar exemplos de distros que são realmente fáceis de instalar. Além de fáceis adaptam-se perfeitamente a qualquer tipo de computador desde os "feitos em casa" até aos, mais esquisitos, de marca.

Se não existisse uma oferta tão vasta em termos de processadores, placas gráficas, placas de som, placas de vídeo, etc, etc. etc. e uma qualquer distribuição apenas se focasse num único e exclusivo tipo de computador, como são os Mac, qualquer Linux estaria apto a instalar apenas com um toque no botão.
Este pormenor é muiuto importante porque há muita gente que se esquece que o hardware da Apple é basicamente sempre o mesmo para uma gama de produtos.

Fazes bem em não "abandonar" o Debian. Eu estou mesmo a pensar em ter um Debian aqui por perto mas em Desktop mas para isso tenho que me despedir de uma delas, provavelmente o openSUSE que neste momento não me diz absolutamente nada.

@braço.

ArmPauloFerreira disse...

Caramba! Vocês não dão uma chance que seja ao Mac... Sinto-me desde sempre anti-Windows e full-pró-Mac.
Linux? Não sou programador e geek a esse nível, portanto não me interessa mas admiro a malta que defende o Linux.
No fundo no fundo, os pró-Linux têm os mesmos sentimentos de quem é pró-Mac pois já estão do lado consciente de que há alternativas de OS.
Já não digo o mesmo dos pró-Windows que são a maior parte deles (para não dizer todos...) uns ceguetas convencidos de que é o resto (Macs e Linux) que está enganado.

Nota: Acreditem que até tenho receios ao comentar artigos do pessoal Linux. Vocês são daqueles que facilmente se irritam com qualquer um e imediatamente lhes chamam "troll".
Ok, já sei que me vão chamar troll também...

jocaferro disse...

Receio porquê?
A conversar é que a gente se entende.
De qualquer forma eu sou um acérrimo defensor do Software Livre e Aberto. Tudo o que meta formatos proprietários e licenças do tipo DRM não "vai à minha missa".

O post não passava de uma brincadeira com a Maria João Nogueira e a boca anti-Mac (se é que existe alguém anti-Mac...), mas tal como já aconteceu anteriormente existe sempre aquele pessoal que não vê mais nada senão o título e tumba!!

Da minha parte, podem-se ler alguns artigos no meu blog, nada tenho contra a Apple/Mac excepto o que acima ficou dito. Penso, apenas, que quando um produto é bom deve-se realçar a qualidade mas quando um produto é mau ou sofre de alguns erros graves também se devem apontar.
Dou como exemplo um comentário, num blog que não me lembro agora, em que um utilizador dizia que nunca pensaria em instalar um Mac como server. Discordo e não pensaria duas vezes caso algum cliente tivesse essa necessidade. O Windows Server também.

@braço.

jocaferro disse...

PS: Eu só me irrito com alguém que começa com uma conversa do tipo "são parvos ou quê" e que de seguida desenvolve uma série de argumentos que no mínimo seriam considerados uma grande parvoíce ou seja, nada de sumo e apenas uma forma de vir para aqui disparatar.

Para a próxima não lhe chamo troll mas sim cromo. É mais soft.

@braço.

brunomiguel disse...

"Não sou programador e geek a esse nível, portanto não me interessa"

Desde quando é que GNU/Linux e qualquer outro sistema livre é só para geeks?! Tens uma ideia errada.
Eu sou um normal utilizador de desktop e utilizo Debian GNU/Linux. E o meu desktop é bastante produtivo - e só está a correr o OpenBox com dois pequenos paineis.

Os evangelistas de Mac acham que o Mac OS X é que é o supra-sumo do desktop, mas esquecem-se que um desktop só é bom quando está adaptado a quem o utiliza, e não o contrário.
O meu desktop, seja com o GNOME, KDE, OpenBox, FluxBox ou E17, está adaptado ao que preciso. Logo é um bom desktop.
Tão simples e tão difícil de fazer perceber a tantos utilizadores que se deixam levar pela conversa do marketing.

jocaferro disse...

Tinha deixado passar esta cena de geek porque acho que já respondi o suficiente acerca das facilidades do Linux.

Considerar alguém que liga o computador, abre a "gaveta" do CD/DVD, coloca o CD/DVD de qualquer uma das distros mencionadas, fecha a gaveta e deixa o computador arrancar pelo CD, como um programador de alto nível ou geek eu não sei mais o que dizer.

Ah! esqueci-me do pormenor de ir dar um passeio até à bios, caso necessário, para mudar a sequência de arranque...

@braço

ArmPauloFerreira disse...

Jocaferro e BrunoMiguel: Sois demais. Ahh e não percam ou deixem arranhar o CD/DVD de arranque...
Compreendo-vos bem. Fiquem bem que tenho de continuar aqui a deliciar-me com o meu iMac...
Apareceu lá no meu cantinho...

jocaferro disse...

Não percebi. Falta de argumentos!?

Bem, quanto ao iMac - bom proveito.

Eu vou continuar na minhas "geekices" e programação avançada porque não tenho dinheiro para pagar software proprietário. Desnto de momentos vou testar 3 "sabores" Solaris, dois deles Live-CD.

Só para terminar gostaria de acrescentar que os CD e DVD são RW, e mesmo arranhados funcionam sempre.
Quando perco algum basta descarregar, através da net.
Limpinho e sem qualquer custo!

@braço.